Casal de fazendeiros é amarrado e bandidos roubam armas, dinheiro e trator em Rio Paranaíba

Os suspeitos ainda estão foragidos.

08/08/2019 - 15h10

Casal de fazendeiros é amarrado e bandidos roubam armas, dinheiro e trator em Rio Paranaíba Imagem Ilustrativa: Arquivo

A Polícia Militar de Rio Paranaíba registrou um roubo, numa fazenda, na zona rural do município nesta última quarta-feira (07). De acordo com as informações do boletim de ocorrência, assim que os militares receberam a informação foram para a propriedade rural.

No local do fato, eles conversam com o proprietário da fazenda, o qual relatou que, por volta das 16h, estava deslocando em um trator para alimentar o gado e notou que havia chegou à sede da fazenda um veículo Fiat/Strada, de cor escura, sendo que cinco indivíduos estavam no carro. Armados, o grupo anunciou o roubo.

Após abordarem o proprietário, entraram em luta corporal causando diversos hematomas nas costas e um corte na testa. Um dos suspeitos aplicou uma gravata na vítima e a dominou. Ainda de acordo com as informações, os criminosos permaneceram com a vítima e perguntavam se havia algo de valor no local.

Ao adentrarem na casa, encontraram a esposa da vítima e a levaram para um dos quartos e tamparam a sua cabeça com um cobertor, dizendo que era para ela ficar tranquila, pois estavam ali somente para pegar dinheiro e coisas de valor.

Os suspeitos reviraram toda a casa e encontraram dinheiro, roupas, botinas, uma arma de fogo calibre 765, uma espingarda, calibre 23, com uma caixa contendo 65 munições. Eles também levaram um trator 290 Massey Fergunson, com uma concha, quatro rodas cromadas completas de um veículo Fiat/Strada e outros materiais.

As vítimas ficaram amarradas dentro de um banheiro e monitoradas por dois dos envolvidos, enquanto os outros deslocavam com o trator em marcha lenta. Já à noite, por volta de 21h30, eles voltaram à fazenda para pegar os outros comparsas deixando as vitimas amarradas.

Após isso, as vítimas conseguiram se soltar e tiveram que caminhar por cerca de três quilômetros para procurar ajuda e conseguirem acionar a Polícia Militar. Os rastreamentos seguem sendo feitos pelos militares, porém, até o momento, ninguém foi preso.

Fonte: Gilberto Martins