Seis urnas tiveram problemas e uma pessoa foi detida em Patos de Minas

Um assessor parlamentar de um deputado estadual estacionou o carro de campanha em frente a um colégio eleitoral.

Igor Nunes
07/10/2018 - 14h52

Seis urnas tiveram problemas e uma pessoa foi detida em Patos de Minas

As eleições em Patos de Minas acontecem tranquilamente em Patos de Minas. A Polícia Militar registrou apenas uma ocorrência de propaganda eleitoral irregular. Um assessor parlamentar de um deputado estadual foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil e o veículo de campanha foi apreendido.

O fato aconteceu na porta do Colégio Marista, no Bairro Aurélio Caixeta. O assessor parlamentar estacionou o carro de campanha do candidato na porta do colégio e deixou o local. Segundo a polícia, o veículo ficou estacionado por mais de uma hora. Ao retornar, o assessor parlamentar encontrou os policiais removendo o veículo. Ele se identificou como responsável e foi detido, sendo encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil, onde ficará no local até às 17h.

Seis urnas eletrônicas tiveram problemas e tiveram que ser substituídas. Segundo a chefe de cartório, Nelita de Maggo Lima, explicou que foram quatro urnas eletrônicas substituídas na zona 330ª e duas urnas substituídas na zona 210ª. A entrevista foi feita por volta de 13h. As duas zonas eleitorais possuem 450 urnas e Nelita ressalta que o percentual de substituição é pequeno.

Há reclamações e registros de ocorrência de votos não computados para presidente. Segundo os denunciantes não aparece a foto ou o voto encerra antes de apertar a tecla confirma. A justiça federal emitiu uma nota referente aos fatos, que tem sido motivos de reclamações também em outras cidades. Confira na integra:

“A Justiça Eleitoral esclarece que a mensagem que circula em redes sociais e aplicativos de bate-papo sobre a ausência de processamento de todos os votos na urna eletrônica é falsa. A informação falsa trata principalmente do voto para presidente, como se a urna não estivesse processando o voto.

São utilizados diferentes modelos de urnas eletrônicas nas seções eleitorais em Minas Gerais, e a velocidade de processamento e posterior encerramento dos votos, após o eleitor apertar a tecla confirma, é diferente de acordo com o modelo da urna eletrônica. A urna mais atual – modelo 2015 – processa os votos mais rapidamente que a urna mais antiga – por exemplo, modelo 2008. Para comprovar, foram feitas filmagens na auditoria de votação paralela em duas urnas, uma modelo 2015 e outra modelo 2008, para que o eleitor entenda como se dá o encerramento da votação e tenha a segurança de que todos os seus votos são devidamente registrados pela urna eletrônica.

Ainda, a Justiça Eleitoral esclarece que um vídeo que circula na internet no qual a urna, supostamente, “auto completa” o voto para presidente também é falso. Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna auto completar o voto do eleitor, e isso pode ser comprovado pela auditoria de votação paralela, nos mesmos vídeos abaixo.”


  • Galeria
  • Galeria
  • Galeria
Fotos: Bruno Pires