Instalação de clínica de recuperação de menores infratores no Bairro Jardim Peluzzo é boato, afirma prefeito

Em entrevista, o prefeito José Eustáquio Rodrigues Alves esclarece que a clínica realizará tratamentos de fisioterapia e atenderá deficientes visuais.

Caio Machado
28/09/2018 - 15h02

Instalação de clínica de recuperação de menores infratores no Bairro Jardim Peluzzo é boato, afirma prefeito

Em uma entrevista concedida à redação do Patos Notícias, o prefeito José Eustáquio Rodrigues Alves esclareceu como será realizada a construção do Centro Especializado em Reabilitação Física e Visual (CER II), que tem sido alvo de críticas de moradores do Bairro Jardim Peluzzo.

Com a proposta de oferecer atendimentos de fisioterapia e tratamentos para deficientes visuais, a unidade do CER II será instalada em um terreno amplo de quase cinco mil metros quadrados, situado no cruzamento das ruas Peluzzo e Sagitário, no local onde funciona o estacionamento da UPA.

José Eustáquio afirma que o terreno nunca foi uma praça, como atestam os moradores, e sim uma área de equipamento comunitário, que o município pode utilizar para construção de hospitais, escolas, creches, clínicas, dentre outros.

“A obra foi viabilizada por meio de um convênio com o Ministério da Saúde, que já enviou parte dos cerca de três milhões de reais que serão investidos. Para a realização da obra, a contrapartida foi o oferecimento do local pelo município, que no momento dispunha do terreno em questão”, explicou.

O prefeito detalha que a clínica contará com 30 salas para atendimento da população e um pequeno ginásio onde serão desenvolvidos os trabalhos de fisioterapia. Além disto, o local contará com um estacionamento frontal e uma praça aos fundos do terreno, já que a obra, não utilizará todo o espaço do lote.

“Isto será um ganho para a cidade, pois a clínica Totó Veloso, que desde a inauguração funcionou em três imóveis alugados e provisórios, finalmente funcionará em um local fixo, instalada num prédio moderno e acessível”, detalhou José Eustáquio.

Questionado sobre a manifestação dos moradores do bairro, o prefeito exemplificou que numa ocasião anterior, os moradores dos bairros Alto da Colina e Jardim Esperança, lamentaram a transferência da UPA para o Bairro Jardim Peluzzo, que por sua vez, tem a saída almejada pela vizinhança.

“O rumor de que a clínica seria destinada para recuperação de dependentes clínicos e menores infratores não procede. Foi uma mentira plantada maldosamente por pessoas que buscam benefícios próprios”, alegou o prefeito José Eustáquio.

O prefeito explicou que para este tipo de demanda, o município dispõe do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). “Temos unidades para tratar usuários com transtornos mentais e vício em álcool e drogas e estamos recuperando os fundos da antiga UPA da Avenida Marabá para instalação de outra unidade”, concluiu.

 

Vizinhança se mobiliza

Diversos moradores do Bairro Jardim Peluzzo, com apoio de vizinhos dos bairros Gramado e Céu Azul, se mobilizam no intuito de que as obras sejam transferidas para outra localidade da cidade, alegando que uma segunda unidade de saúde no local, causaria ainda mais transtornos e desconforto.

O construtor Sancho Batista da Silva está colhendo assinaturas com os moradores para entrar com um processo judicial em desfavor da instalação da clínica. “Temos que lutar para que a obra vá para outro lugar, não queremos perder o benefício, mas apenas não queremos a clínica na nossa vizinhança por estarmos fartos”.

Já a administradora Simone Ferreira, que reside há 23 anos no Bairro Jardim Peluzzo, afirma que se mudou para a vizinhança na promessa de que o local se tornaria uma praça. “Todo bairro tem uma área de lazer e nós dispomos do espaço, porém não a temos. O lote seria uma praça, depois uma farmácia e agora a clínica. Não somos informados pela prefeitura sobre o andamento de nada”, lamentou.


  • Galeria
  • Galeria
  • Galeria
  • Galeria
Reportagem: Igor Nunes
Imagens: Bruno Píres