Prefeito de Patrocínio Deiró Marra declara que denúncia por crime de peculato é improcedente

Em nota oficial, a Prefeitura de Patrocínio alegou que “todas as provas serão apresentadas ao Tribunal de Justiça para esclarecer os fatos e serem declaradas falsas todas as acusações”.

Caio Machado
25/01/2018 - 14h17

Prefeito de Patrocínio Deiró Marra declara que denúncia por crime de peculato é improcedente

Em uma nota oficial divulgada na manhã desta quinta-feira (25), a Prefeitura Municipal de Patrocínio alegou que a denúncia por crime de peculato efetuada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) em desfavor do prefeito Deiró Moreira Marra (PSB) é improcedente.

A denúncia do MPMG faz crer que Deiró Marra teria praticado crime de peculato na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), quando atuou como deputado estadual entre o período de fevereiro de 2007 e fevereiro de 2010.

O político teria desviado o total de R$ 208.173,93, em benefício próprio, ao embolsar a remuneração destinada a uma servidora lotada no próprio gabinete, recebendo auxílio da mesma, juntamente de outra servidora da ALMG.

Para encobrir o crime, Deiró Marra, em conluio com o procurador-geral de Patrocínio e do oficial do Cartório de Registro Civil e Notas de Ponte Firme/MG, teria protocolado uma Ata Notarial falsificada alegando que a servidora havia recebido os vencimentos corretamente.

Em resposta, a Prefeitura Municipal de Patrocínio afirma que a denúncia se trata de um processo trabalhista finalizado em 2010 e que “todas as provas serão apresentadas ao Tribunal de Justiça para esclarecer os fatos e serem declaradas falsas todas as acusações”.

Segundo a nota, o ex-deputado estadual e atual prefeito de Patrocínio Deiró Marra está confiante de que a justiça será feita e aguarda notificação do judiciário para a preparação da defesa da denúncia.